sábado, 22 de janeiro de 2011

Infinitamente.

Eu não queria parecer essa doida que eu sou. Queria passar a imagem da menina mais séria, que também sou, afinal. Ser várias é complicado, pois nenhuma delas marca hora pra chegar. Vão chegando, e chegando, e vou acomodando todo mundo aqui dentro de mim, e me acumulo, e me confundo, e sou feliz. Porque, com vocês, eu me sinto tão livre que não há medo. Não há medo, você leu isso? Não há. O amor ocupa todos os espaços. Se planejássemos, nossa amizade não seria tão bonita. Eu que sempre quis ser mais, tentei me reduzir a uma só. Não posso. Sou várias, S O U. Sou sol. Sou sol só. E sou só várias. Não é crime, e se fosse eu estaria presa. E daí? Sou feliz e triste, esperançosa e pessimista, eu sou tantas, tantas, que até canso às vezes. Olhe, se alguém me quiser, será como sou: muitas. E não mudarei por nada disso, não. Eu sei sorrir e chorar ao mesmo tempo. Meu bem, se gostar, será assim: com todas as cláusulas aceitas e com todas as versões de mim, também.

3 comentários:

  1. Amizade não se faz, se percebe, se sente. Se fosse planejado não daria certo. Eu posso ser com você quem eu sou, e isso basta. Ta adoro!

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante o blog!
    Deixo aqui o meu caso queira dar uma olhada, seguir..

    http://bolgdoano.blogspot.com/

    Muito obrigada, desde já.

    ResponderExcluir
  3. "Eu que sempre quis ser mais, tentei me reduzir a uma só. Não posso. Sou várias, S O U."

    Me sinto exatamente assim.

    "Meu bem, se gostar, será assim: com todas as cláusulas aceitas e com todas as versões de mim, também." Caso contrário, vá, porque não vou deixar de 'me ser', por ninguém. (Foi o que eu disse, exatamente assim. Você trouxe à tona, tanto, tanto.

    ResponderExcluir