segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Vem.

Eu sinto uma vontade enorme de escrever sobre você. Não sobre o "eu" de você, mas sobre o seu "eu" em mim. Continuo querendo desvendar o que existe atrás de tanta capa que te cobre e, mesmo que eu não descubra, consigo ver. Eu vejo o que eu quero e nunca seria capaz de ver o real. De repente, me veio a descoberta: por mais que eu te desvende, sempre serás como quero. Pode existir um "eu" seu como eu quero, e um "eu" como não quero. Enxergarei os dois, mas nunca apenas o segundo. Eu gosto disso tudo, desse mistério, dessa procura, dessa imaginação desenfreada que insiste em pensar em ti. Eu gosto muito, pois é o único momento em que me permito ser eu. Vem, vem logo que eu tô a tua espera, a porta tá aberta e meu olhar é pra você. Vem, não diz que me ama e eu não direi que te amo também, não quero mentiras. Vem, olha pra mim, fixamente, faz o tempo parar e o relógio enguiçar, enquanto nossos olhos se chocam. Vem, não seja tão clichê e não me deixa desencantar. Vem, aparece quando eu menos esperar, me dizendo qualquer coisa que faça meu coração bater mais rápido por alguns segundos. Vem, me enxerga de longe e me imagina, como analiso cada gesto seu e cada palavra dita e não dita. Vem, perto ou longe, mas não esquece de mim. Vem, traz café e descobre o que eu gosto, mas vem logo, que eu tenho mania de deixar o café esfriar.

5 comentários:

  1. Olá Emanuele,

    Lindo o seu blog. Venho agradecer pela sua visita e pelas palavras deixadas no PBI. Obrigada!
    Gostei muito d'Aquela Velha Novidade, me lembra uma nostalgia antiga por algo muito novo, duas sensações contraditórias e nem por isso incompatíveis. Já as senti muito. Adorei a ideia!

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  2. Minha querida,

    Eu parei nessa frase:


    Vem.
    Eu sinto uma vontade enorme de escrever sobre você. Não sobre o "eu" de você, mas sobre o seu "eu" em mim. Continuo querendo desvendar o que existe atrás de tanta capa que te cobre ...

    Sabe que vivi uma história, mas até hoje não consegui descobrir...
    Uma história que passou....mas me lembrei lendo esse texto tão lindo.
    Enfins, no meu caso...o café esfriou!

    Beijoooo meu!!!

    ResponderExcluir
  3. Perfeito manu, peerfeito!
    Vem, não seja tão clichê e não me deixa desencantar.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir