quarta-feira, 18 de julho de 2012

Desenhos da espera

Meu corpo bem se encaixa no teu peito
é defeito que tenho de carregar
mas evito falar sou mui suspeito
acho logo que tudo há de engrenar

troco as peças fico facilmente afeito
a quem nem mesmo de mim ouve falar
tento tudo mas te juro não tem jeito
nem macumba nem incenso faz amar

o pior é não apagar o feito
de a ti dirigir primeiro olhar
mas ninguém pode me tirar o direito
de de súbito me enfeitiçar

apesar de não nutrires respeito
por quem rápido decide se entregar
por quem não hesita e grita eu aceito!
mesmo que receba o nome de vulgar

por quem aos condenamentos é sujeito
se a recompensa for te observar
e que mesmo não descansando em teu leito
sozinho deita e sente o teu lugar

com teu cheiro tua marca teu trejeito
desenhados no colchão a esperar
e nem liga mais pra nenhum preconceito
se em teu tronco bem puder se acomodar

ou até se não for pra isso eleito
mas de longe conseguir te espiar
mesmo assim tudo seria perfeito
mesmo sendo o uno a te aguardar

dessa forma, fico até satisfeito
se o teu passo eu souber por onde está
pois sem tu eu perambulo a eito
mas também posso até parar de andar.