sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Mais um filme que não é só mais um.

Hoje assisti Um Homem Sério (A Serious Man). O filme se passa na década de 60. Larry Gopnik é judeu e professor de física em uma universidade. Sua esposa quer o divórcio, para casar-se com seu melhor amigo. E ele é que precisa se mudar para um motel pequeno. Sua filha planeja uma plástica no nariz, o filho usa marijuana, o irmão estranho e problemático está morando em sua casa, um aluno não aceita ser reprovado e oferece suborno - o qual ele não aceita -, o dinheiro acaba antes do mês, enfim... Tudo dá errado na vida de Larry. Ele procura rabinos, amigos, pergunta-se o tempo todo "por que isto está acontecendo comigo?" e tenta encontrar sentido na vida. O filme é totalmente nonsense e me fez rir bem alto. Mas não é uma comédia-sem-cérebro, cujo único intuito é fazer sorrir. Nem mesmo é uma comédia. Ele começa sem que se entenda e termina da mesma forma. Gostei muito, porque, além de engraçado, passa uma total sensação de caos - como eu acho que a vida seja. No início, antes de conhecermos o protagonista, aparece a frase "Receba com simplicidade tudo que acontece com você". Então, mostra-se a curta história de um casal russo: um homem recebe a ajuda de um sábio e o convida para jantar em sua casa, com sua mulher. Quando o sábio chega, a esposa percebe que se trata de alguém que morreu há anos: um espírito. Ela enfia-lhe uma faca, e ele permanece ileso. Ela expulsa o morto e diz "Louvado seja Deus, o mal que já vai tarde". Em seguida, o filme começa. São possíveis mil interpretações - pelo menos, para mim. O fato é que a história dos russos não deve ter sido colocada em vão. Pensei que Larry pode não ter encarado as coisas de frente, apenas aceitou. Então, o mal permaneceu em sua casa - o que contradiz a frase inicial. Ele diz "O que era a minha vida antes? Não o que eu pensei que era", e eu tentei relacionar ao russo que confundiu um espírito com uma pessoa viva. Será que não ter aceitado o suborno, do aluno, desencadeou tudo o que ocorreu depois? Ou "a vida é assim", como diz um rabino, e as coisas apenas acontecem? Pensei também que a morte visita a todos, e nada mais importa quando isto acontece. Nem o sentido de viver, nem as respostas que Larry procura. Homens, sérios ou não-sérios, morrem. O que importa é o que foi vivido. Bem, não sei ao certo. O fato é que o filme nos deixa cheio de interrogações, e adoro isto. Eu recomendo. Um Homem Sério é cômico e inteligente - "só" isso.

Trailer "A Serious Man", 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário