quarta-feira, 1 de junho de 2011

Aleatório.

Não, eu não quero mais beber da fonte envenenada. Fonte maldita, odeio você, fonte, odeio odeio odeio, tantas vezes odeio. Mas eu não odeio sua água. "Seja forte!" diga isso a um fraco. O problema é que tenho sido forte por muito tempo. Às vezes, não aguento mais ser forte. Olhe-se no espelho, veja que você é a mesma de sempre, quando chora. Mas, quando acaba, a ursurpadora volta. E eu que não consigo seguir o rumo de me colocar no lugar dos outros, agora. Na minha pressa, não soube esperar seis segundos. Talvez falte animação, ou talvez eu só precise de livros novos. Ando, como quem anda com uma faca exposta e a guarda, para não ferir a si mesma. Isso não foi literal, não se preocupe. Penso: vida talvez seja prender-se nos trezentos e sessenta dias do ano, e ser livre nos outros cinco. Esses são os verdadeiros feriados. Que tal tirar folga de mim? Não sei se consigo. Usurpadora não deixa. Que brega, tudo isso. "Porque há o direito ao grito, então eu grito." dizia a Clarice. Eu quero gritar como uma louca, com direito, sem direito. Mas eu não consigo: prendo meu grito. É comum que as pessoas sintam vergonha do que sentem, não sou diferente. Mas, penso, eu devo me orgulhar por sentir. Sentir é tão raro, no mundo. Talvez, nem seja tanto, mas demonstrar o que se sente é muito raro, sim. Mas eu rio na ópera e finjo assistir comédia. Mas eu não sei ser: ser dói. Se eu acreditasse em um deus, eu pediria para ser menos complicada. Mas nada tem sentido. Não é papo de depressivo ou de bêbado, - já que não sou nenhum dos dois - só não acho que haja sentido em nada, mesmo. Não concluí isso agora. Universo é aleatório. É possível ficar triste e feliz por isso. Triste, porque cruzar com aquela pessoa, na rua, e trocar olhares com ela, não foi coisa do destino. Provavelmente, vocês nunca mais farão isso. E a chance de não ter filhos com ela é de 99%. Mas pode ficar feliz, porque a intimidade que você tem com o seu amigo, irmã, namorado ou papagaio, não foi planejada por ninguém. Foi acaso ter conhecido, mas não foi acaso ter amado. Não sei se me faço entender, mas quero dizer que você gera muito do que há de bom ou ruim na sua vida. Eu não quero deixar isso parecer um livro de auto-ajuda. Auto-ajuda para quem escreve, no caso. Há coisas que não se pode escolher, mesmo. Mas, no que puder, escolha. Eu me sinto tão mais livre quando choro. Como se houvesse vinte e sete celas na minha frente, e eu eliminasse vinte. Há sete, sim. Não sei me livrar disso agora. Deveria haver o dia do grito, - será que há? Há o "dia do encarcerado" - todos gritando juntos e, logo após, um demorado silêncio. Acho que a violência diminuiria, ou é muita ousadia achar isso? Porém, se houvesse - houver - o dia do grito, muita gente pode deixar de gritar, para fazer isso apenas nesse dia. Assim, gerando um grito mais longo. Não sei, não espero nada da sociedade. Até por fazer parte dela. Imaginei, agora, enfiar uma espada em um pote de mel. O que me lembra uma história, lida em em dois mil e nove, que falava sobre como dizer a verdade delicadamente é importante. Verdade só dói quando há fantasia no meio. Isso é um-pouco-muito-óbvio. O problema é que a gente insiste em se fantasiar. E olha que tanta gente nem gosta de dia das bruxas. Penso: vida talvez seja usar uma fantasia nos trezentos e sessenta e quatro dias do ano, e usar outra em 31 de outubro, para falar "acho ridículo isso de fantasia". Citei dia das bruxas, porque não gosto de carnaval. Todo mundo é meio bruxo, mesmo que não se tenha uma verruga no nariz, ou que não se voe em vassoura. E, veja que ironia, o pedaço de pão que te engasga, só vai sair quando você fizer algo para que ele saia. O pedaço de pão que te engasga é o mesmo que te fez dizer "que pão delicioso", minutos antes da quase tragédia. Ou não. Talvez o pão já estivesse ruim, mesmo. Ou talvez nem tenha sentido o gosto do pão, só se arrependeu de ter provado. Afinal... O fato é que não há fato algum para o momento. Volte mais tarde, quem sabe não ocorra algo? Talvez, façam pães novos, ou espadas com mel. Não sei, mas volte mais tarde. Minha fantasia pesa. Mas não se preocupe, o dia do grito nem existe, de verdade. Acorde! Pães novos, sem espadas em mel, saindo do forno! Mas eles não estão prontos, eles nunca estarão prontos. Cuidado pra não se engasgar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário