sexta-feira, 15 de abril de 2011

.

Não, a gente não pode controlar isto. Preste atenção, deixe-me achar que sou mais esperta que você e não te dizer. Talvez isso me torne. Você não será apagado, suas letras não serão esquecidas, desejo que você se exploda. Mas, ouça bem, eu não desejo. Eu sou uma contradição, uma contradição vermelha e rápida, eu fico furiosa, mas eu adoro você. Eu adoro seu sorriso, espero que se exploda junto com ele. Seus argumentos tão inválidos, sua sinceridade medíocre, eu espero que lembre de cada coisa que te falei, apesar de saber que lembrar não muda nada. Espero que se exploda. Espero que, tanta coisa, tantas coisas, tanto, tanto, tanto... Que você e sua cara maldita continuarão iguais. Que você é como eles, como os outros, como eu, porque somos feitos do mesmo material, esse vazio. Mil vezes, mil dinamites, mil formas. Você não acha que eu diria tudo isso se fosse verdade, não é? Eu te sei, eu sigo seu cheiro, nem preciso te seguir pra isso. Não precisa entender: sorria.

Um comentário: